Eu não deixei chorar

Deixar chorar

Os franceses que me desculpem, mas… Deixar o bebê chorar até cansar para não ficar cheio de manha: nunca na história do país da minha casa.

Logo que saiu da UTI Neo, a nossa filha teve todo o colo do mundo, exceto quando ela mesma preferia ficar no bercinho, se acalmando sozinha. Eu e minha mãe trabalhamos em regime de pronto atendimento, 24 horas, cansadas e felizes.

Após o parto, a Vivi foi direto para a UTI. Me lembro muito pouco do nascimento dela, tamanha a quantidade de medicação que eu havia tomado durante os quatro dias em trabalho de parto.

Elas nasceu, o neonatologista colou o rostinho dela no meu por poucos segundos, eu a beijei bem rápido, ela abriu os olhos e se mandou prá casinha de vidro. Só nos encontramos três dias depois. A imagem mais nítida que tenho é dos olhos dela, bem brilhantes por conta da iluminação do bloco cirúrgico. Nada mais. Parto de emergência não tem foto, né, gente?

Agora vejam bem: durante os três primeiros dias da vida dela, não houve colo da mamãe, que se recuperava de um parto dificílimo. Ela recebeu o carinho das enfermeiras e do papai, que pousavam suas mãos sobre aquele corpinho de 1 kg e pouco que nem podia sair da incubadora.

Quando passei a acompanhá-la no hospital, a gente “caguruzava” por todo o tempo que era permitido. Mas, acreditem, era um tempo infinitamente menor do que a gente precisava.

Não estou afirmando que hoje, ao menor grunhido, corro para atender as solicitações da Vitória, até porque ela já tem 1 ano e 4 meses, é saudável (graças a Deus) e tem que aprender a esperar.

Mas sou terminantemente contra deixar um bebezinho chorar até cansar. A nossa Vivi chorou “sozinha” por quase vinte dias porque não podia dormir fora da incubadora. Era retirada para se acalmar, recebia carinho, mas tinha que voltar prá lá.

Então, mamãe, se seu bebê chorar, atenda. Não só porque é um privilégio poder ter este contato com a sua cria (nem todas as mamães podem, vejam o meu caso), mas porque o seu filho precisa de você, do seu calor, do seu cheiro… Você tem a vida inteira para educá-lo.

Ler este Dossiê do Choro  da Revista Crescer me deu até uma certa tristeza, porque o choro da minha filha só pode ser atendido vários dias depois do seu nascimento.

Estudos apontam que:

– a resposta dos pais ao choro nos três primeiros meses é crucial para o desenvolvimento emocional e neurológico do bebê;

– segurar o filho na hora do choro ajuda a minimizar o desconforto dele.

Então O COLO É LIVRE, pelo menos até que os nossos bebês tenham condições de aprender a esperar e se acalmar sozinhos. Eu quis acreditar que esse tal marco do desenvolvimento, a partir do qual um bebê consegue começar a segurar a própria onda, acontece por volta de um ano.

Varia de mãe prá mãe. A minha mesmo me dá colo até hoje e eu nasci há um tempão! : )

Beijos,

Bianca.

bianca@naoeamamae.com

Instagram: @blognaoeamamae

No facebook: Blog Não é a Mamãe!

Comente, compartilhe! :)