Guia da festa infantil (para quem não se programou)

Corre que ainda dá tempo, mamãe!

Dois anos

Sabe aquela mãe/boadrasta que passa o ano programado a festa de aniversário do filho/enteado? Não sou eu! Se você também é assim, esse post é pra você! Faltam dois meses para a Vivi fazer dois aninhos e não fiz absolutamente nada. Sabe quem me lembrou? O #PD3.

Então, com foco na solução, compartilho com vocês a minha to do list .

1 – A data

Se você for  celebrar em casa, beleza: a escolha da data é sua. Se optar por um buffet, por exemplo,  você terá que se adequar à agenda do local. Não sofra se a única data disponível for uma terça-feira. Os queridos comparecerão ao evento, independentemente da data e hora; e você, uma vez na vida, pode sair mais cedo do trabalho.

2 – Lista de convidados

Resolver quem vai chamar é importantíssimo, por ser determinante para a escolha do local da festa e para o orçamento. Só a família? Os amigos mais íntimos?  #PD3 quer chamar Deus e o mundo… Veremos.

3 – O local

Vivi não frequenta locais fechados com ar-condicionado, como shoppings, supermercados e tal. Tanto é assim que o primeiro aninho dela foi comemorado no Parque da Jaqueira, com um piquenique super charmosinho.  Festas em buffet, ela só foi a 3, na vida inteira. Mas…  Somos ousados e a festinha  será num buffet, até porque Nossa Senhora do Aniversário Infantil fez com o dia 07/02/13, data do aniversário da moça, estivesse disponível em um lugar super legal.

4 – Calculadora de festas infantis

Festejar em um buffet facilita muito a vida do ser humano organizador do evento, considerando que quase tudo é responsabilidade do estabelecimento. Mas festejar em casa, além de mais em conta, também é uma delícia. Diquinha para que vai celebrar em casa é esta Calculadora de Festas Infantis, que te ajuda a calcular a quantidade de comida, bebida e espaço.

5 – Tema

Considerando os personagens favoritos da aniversariante, estamos entre o Barney (dinossauro roxo ou rosa, que ela chama de “Bãney”), o George (o macaco curioso carinhosamente chamado de “Culhoso”) e a porquinha Peppa (que ela chama de Peppa mesmo). Ainda não decidimos.

6 – O que servir

É hora de lembrar quem nem todas as crianças comem coxinhas e tomam refrigerantes. Embora a grande maioria curta, o cardápio da festinha tem que contemplar sucos, frutinhas e comidas “não fritas”. Esse tema é polêmico lá em casa, porque o #PD3 acha que em aniversário de criança se come coxinha e brigadeiro. Vamos ponderar… Servir almoço ou jantar é opcional, mas acho importante.

7 – Animação

A maioria dos buffets infantis já conta com uma estrutura que diverte a criançada, com brinquedos e atividades recreativas. Mas Vivi adora dançar e cantar, de forma que precisaremos de um cantor, nem que seja o Tio Betinho (que só canta bossa nova e samba de raiz).

8 – Convites

Com ou sem protocolo? Acho válido convidar por e-mail, facebook, WA ou telefone. Nem sei nem se a boa educação ainda manda enviar convite de papel. Se mandar, a boa educação não é sustentável. Mas será que a gente consegue ser sustentável quando o assunto é aniversário do filho? Fato é que se for encomendar convites numa gráfica, tem que ser com antecedência. Corra!

9 – Lembrancinhas

Além de um monte de doces para dar trabalho à odontopediatra, é legal dar uma recordação especial da festa. Ainda não decidi se vou encomendar ou fazer. Conto pra vocês oportunamente.

10 – Decoração

Vou contratar. Mas se você é prendada e tem tempo disponível, fazer é uma ótima. Imagine só ter uma festa decorada pela própria mãe? É muito amor!

Faltou alguma coisa? Com certeza! À medida que for lembrando, conto pra vocês.

Beijos,

Bianca.

bianca@naoeamamae.com

Instagram: @blognaoeamamae

No facebook: Blog Não é a Mamãe

Comente, compartilhe! :)