Madrasta e ex: overbooking na noite de Natal

Boadrasta e mãe se encontram em festa de família. Como lidar?

Boadrasta e ex se encontraram na noite de Natal. Coisas de família mosaico… Leiam o relato da boadrasta e o que penso sobre a situação. Não deixem de comentar! :)

Briga natalina

“Acabo de ler o post da Vivi sobre Dois Natais. Não sei se o fato de o namorado ainda residir sob o teto dos pais, e não compreender muito bem [ainda] que as crianças se adaptam super bem aos fatos e acontecimentos, diferentemente dos adultos, mas a questão é que a noite de Natal de 2013 foi amarga por aqui.

Ele estava lá em casa, e ao entrarmos no carro para ir à casa da avó paterna dele (com um pit-stop para pegar a menina na casa da mãe), perguntei se teria o desprazer de encontrar com a cidadã. A resposta foi “não”.

Mas a pergunta foi, na verdade, um aviso. Eu sabia que algo ia acontecer, sabia!

Não demorou muito, após termos chegado na “segunda parada da noite” (a casa da avó materna dele), e ele anunciou: “-Filha, sua mãe chegou.” Ok, eu pensei comigo, “ela está lá fora”. Para minha surpresa, e indignação, a criatura não só entrou, falou com todos, e veio até mim, para desejar “feliz natal” e me dar dois beijinhos.

Carregando modo de tabefes em 3…2…1. kkkkk. Diante de toda a família, abortei o carregamento e me limitei a dizer “isso é totalmente desnecessário”. Bom, daí pra frente, fiquei tão indignada que a vontade era de encher o namorado de porrada, por ele ter permitido que ela entrasse na casa, comigo lá.

P*, como assim aparecer como se fosse da família??? Quer dizer que nos 3 anos em que ocupou o posto de namorada, recusou-se terminantemente, a ponto de as pessoas até deixarem de perguntar por quê ela jamais comparecia; para agora dar uma de “sociável”? [peraí, vou ali vomitar e já volto]

Sei que você é bem reservada nos comentários acerca da mãe dos seus enteados, mas ajude uma “boadrasta” em apuros… como é que funcionam as coisas por aí? Ela sabe exatamente os limites? Ela os respeita?

Bom, não deixei barato o caso, pressionei e ameacei o namorado, até que ele “deu uma dura” na própria mãe (de quem suspeito, até prova em contrário), por ter convidado e incentivar as sandices da criatura. Já desfiei um rosário, estabeleci critérios, determinei uma atuação severa quanto ao art. 3º.

Em 2014, não vou abrir mão de regulamentar a guarda, a pensão e a visitação da menina… a ordem do dia vai ser deixar os limites bem cristalinos, bem delimitados. De verdade.”.

Querida, confesso que fiquei um pouco preocupada ao ler o seu relato, pelo seguinte: esta pessoa sempre será a mãe da sua enteada; esta pessoa merece todo o respeito da família do seu namorado, pelo simples fato de ser mãe da filha do seu namorado; questões como guarda, pensão e direito de visita não tem, em absoluto, nada a ver com você.

Desculpe pela falta de meias palavras e pelo excesso de sinceridade, mas não poderia te dizer nada diferente disso.

Seu namorado deveria, sim, ter conversado com você antes do tal encontro. Assim você teria a opção de ir ou não, de se poupar ou enfrentar uma situação que é desconfortável (sei disso).

Quando nos envolvemos com alguém que já tem filhos, temos que segurar uma super onda: a ex é presente. Não é presente no coração do seu namorado, mas no coração e na rotina da filha dele. Eles se encontrarão em vários momentos (festas na escola, médico, Natal etc) e você poderá participar disso ou não.

Como funciona na nossa família? Aqui os limites foram estabelecidos naturalmente e sem qualquer envolvimento meu. Passei por algumas situações bem desagradáveis e hoje o meu procedimento é: manter distância.

“Nosso” do meio foi Dr. do ABC recentemente e eu não fui à festa. E não irei a vários outros eventos. Gostaria muito de participar, mas não participo. Assim, as pessoas que mais amo são poupadas: eu mesma, meu marido, minha filha e meus enteados.

Procure um lugar confortável para você nessa estrutura familiar que já existe. Se não dá para encontrar com a ex, não encontre. Mas saiba que seu namorado (um dia marido, quem sabe) inevitavelmente encontrará.

Agora me diga… Por que não cumprimenta-la? Por que não retribuir um desejo de feliz Natal? Se ela é boa ou má, falsa ou verdadeira… Isso importa?

Seja mais você. Faça a sua parte: seja boa para você, para a sua enteada e para o seu namorado. Seja feliz! Procure se incomodar menos. O tempo vai te ajudar… Tenho certeza.

Beijos,

Bianca.

bianca@naoeamamae.com

Instagram: @blognaoeamamae

No facebook: Blog Não é a Mamãe!

Pra conversar: Grupo de Mães e Madrastas

Comente, compartilhe! :)