Mãe, tô namorando #morri

Dating 2

Tô orando por você que esse ano, ao invés de comprar só o presente do maridão, comprou também o da namorada do seu filho/enteado (ou do namorado da sua filha/enteada).

É que a gente quer os filhos livres, felizes, seguros de si, descobrindo o mundo… Mas namorando? A gente quer os filhos NAMORANDO?

A minha brincadeira com o “nosso” mais velho é a seguinte: pode namorar, mas vou contar prá ela que você tem medo de escuro e que até outro dia molhava a cama.

Além de extremamente sem graça, até porque são inverídicos os fatos imputados ao moço, a brincadeira tem muitos significados: 1) não quero que ele cresça; 2) não quero que ele sofra; 3) não acho que ele já tem discernimento suficiente para escolher sozinho uma pessoa para dividir a sua vida adolescente. Em resumo: não quero que ele namore.

Mas sou eu (a boadrasta) quem resolvo quando o rapaz vai namorar? É o pai dele? A mãe? Nenhum de nós.

E agora estou aqui aliviada porque ainda não ouvi o tal “estou namorando”, de forma que disponho de mais um tempinho para operacionalizar com muita terapia o projeto “sogra legal”. Porque se eu disser que não tenho ciúmes dele, gente, é mentira (super mentira). Se eu disser que estou pronta para conversar sobre esse namoro que nem existe (que eu saiba), também é mentira.

Alguém me explique, por favor, como depois de tanto amar, cuidar, prover e proteger vou conjugar o verbo desapegar. Porque minhas três crianças vão namorar (claro!) e ainda não tenho a menor ideia sobre como lidarei com isso.

#alouca

Bianca.

Bianca.

bianca@naoeamamae.com

Instagram: @blognaoeamamae

No facebook: Blog Não é a Mamãe!

Comente, compartilhe! :)