Um parto de cinema – Capítulo I: Indo sozinha para a maternidade

(enquanto o marido dormia)

We_Can_Do_It-3

Era sexta de manhã quando a grávida de 33 semanas, de repouso e enclausurada, teve a ~brilhante~ ideia de ligar para sua obstetra e pedir autorização para ir ao salão de beleza e para jantar fora com o maridão.

Após minucioso processo de embelezamento, rolou o jantarzinho e, como há tempos o casal não saia, o marido resolveu beber como se não houvesse amanhã.

A grávida voltou conduzindo o veículo do casal; o marido dormiu profundamente. E? A grávida entrou em trabalho de parto. Não vou entrar em detalhes narrando o quanto demorou para a grávida perceber que estava parindo, considerando equivocadamente que estaria padecendo de uma indisposição do trato gastrointestinal, digamos assim.

Transcrição do diálogo:

– Amor, estou sentindo uma dor muito forte.

– Vai melhorar, amada.

*20 minutos*

– Amor, a dor não está passando.

– Encosta aqui, amada.

*10 minutos*

– Amor, eu não estou aguentando.

– ZZZZZZZzzzzzzz

Trajando um vestido de gosto duvidoso, após assustar fortemente o porteiro com os berros no elevador, a grávida embarca em um taxi e solicita gentilmente que seja conduzida hospital. Durante o percurso, a grávida berra, chora e se contorce. O motorista se desespera, é solidário e se apavora.

No hospital, correm médicos e enfermeiras. De fato, o bebê estava nascendo. Mas ninguém quis dar tal informação à grávida e todos perguntavam se ela estava sozinha. A família da grávida não mora na mesma cidade e, de fato, ela estava sozinha.

Ao amanhecer, o marido telefona querendo saber onde estava a sua amada, que gentilmente responde: parindo, seu &*%&¨$%&#*##! Instantes depois, chega o pai da criança, com cara de “Se beber, não case”, mais precisamente do Alan. Tá bom: sendo justa, mas sem querer fazer propaganda do PD3: do Phil.

*TO BE CONTINUED*

UTILIDADE PÚBLICA

Como reconhecer o trabalho de parto:

1 – Você sente uma dor e pensa que vai morrer;

2 – Ao ter certeza de que vai morrer, a dor para;

3 – Quando você pensa que vai sobreviver, a dor volta.

Os itens 1, 2 e 3 vão se alternando, em intervalos cada vez menores, até o nascimento do lindo bebê. No meu caso, isso durou QUATRO dias.

Bianca.

bianca@naoeamamae.com

Instagram: @blognaoeamamae

No facebook: Blog Não é a Mamãe!

Comente, compartilhe! :)